Glauber Rocha e a revolução sussuarana

Faz mais de 30 anos que Glauber Rocha morreu.

Por mais de 30 anos o único romance que ele escreveu ficou esgotado. Trata-se de um livro exigente potente verborrágico alucinatório descontínuo polêmico vociferante ousado erudito&transgressor lisérgico fantasmagórico virulento cangaceiro memorialístico histórico político violento escatológico&ezcatologyko como adjetivam por aí.

Continuar lendo “Glauber Rocha e a revolução sussuarana”

Anúncios

O romancista Altair Martins

Se, em 2009, Altair Martins ainda demonstrava algum desgosto com sua pouca exposição alcançada como escritor, sobretudo obviamente em São Paulo,[1] hoje podemos afirmar que ele já se tornou um nome bastante festejado. Ganhador de prêmios literários, vai compor mesa com André de Leones e Carlos de Brito e Mello (mediação de João Cezar de Castro Rocha) na Flip 2012.

Apesar de se ter destacado como contista, sua consagração se deu por conta do primeiro romance, A parede no escuro, publicado em 2008, que levou, entre outros, o Prêmio São Paulo. É um livro interessante e, diferentemente daqueles menos simpáticos com o leitor, faz o que pode para ganhar a amizade. Outro romance é aguardado e, segundo o autor, abordará o tema da identidade.

Continuar lendo “O romancista Altair Martins”