A Poesia Viva de Paulo Bruscky

A Poesia Viva de Paulo Bruscky foi publicada pela Cosac Naify em parceria com a Associação para o Patronato Contemporâneo em livro sem numeração de página, com a lombada exposta, apenas com uma cinta de papel amarelo trazendo o nome da obra e do autor. Na estante, um leigo não saberia de quem é, do que se trata. Neste caso, mais que em qualquer outro, não se deve julgar o livro pela capa, pois não há. Continuar lendo “A Poesia Viva de Paulo Bruscky”

Anúncios

Ellen Maria Vasconcellos traduz Milán

A escritora Ellen Maria Vasconcellos teve poemas traduzidos da antologia Manto, de Eduardo Milán, publicados na revista Sibila.

As traduções integram o trabalho realizado no blog Tomada de Milán, que propõe versões em português da obra do poeta uruguaio. Continuar lendo “Ellen Maria Vasconcellos traduz Milán”

an american pray

O poema ‘an american pray’, de Fabio Riggi, foi publicado na página ‘Poesia, vim buscar-te’.

Poesia, vim buscar-te

pelas quedas não mencionadas
pelas violações
pelos vícios
pelas américas devastadas
milhões de vítimas vermelhas
tribos inteiras famílias filhas
com autoritarismo
palavras palavras
palavras inteiras
pelos que sobreviveram
os que nasceram
fronteiras derrubadas
igrejas reformadas
pelos inomináveis como todos os adjetivos
malditos
possuídos
milhões
perdidos
por todos os amores caídos
pelos inconcebíveis
os marginalizados
abandonados
abusados
esquecidos
catedrais sejam altas
como as vítimas
como os milhões
as palavras
redoma fascista

_
▪ Fabio Riggi
(Brasil – SP, n. 1982)
Poema inédito publicado com autorização prévia da autor.

Ver o post original

Má-fé na tradução

Má-fé, no sentido sartriano de enganar não apenas os outros, mas também de enganar-se, é o conceito usado por Cyril Aslanov para discorrer sobre A tradução como manipulação (Ed. Perspectiva e Casa Guilherme de Almeida, 2015). Em seu livro, o professor israelense expõe e comenta casos de falsificações, negligências, censuras, motivações políticas, boicotes, deficiências do Google Tradutor, bajulações, apropriações e também casos em que a má-fé percorre outras camadas do texto, por vezes chegando ao seu estatuto ontológico. Continuar lendo “Má-fé na tradução”