Poema no Relatório de Administração e Sustentabilidade da Prodesp

A Prodesp publicou na pág. 7 do seu Relatório de Administração e Sustentabilidade 2017 um poema de minha autoria. O texto, chamado ‘A contemplar o poente’, foi escrito exclusivamente para o documento, cujo tema desta edição foi ‘pôr do sol’. Veja a seguir. Continuar lendo “Poema no Relatório de Administração e Sustentabilidade da Prodesp”

Perec, Borges e Oulipo

Literatura e Matemática, de Jacques Fux, publicado em 2016 pela editora Perspectiva, pesquisa as relações entre Georges Perec e Jorge Luis Borges sob o viés da Matemática e Lógica.

Além de focar seu estudo em um campo pouco explorado dos estudos comparados no Brasil, o livro abre espaço para questionamentos que precisam ser feitos àqueles que produzem literatura atualmente. Continuar lendo “Perec, Borges e Oulipo”

e temos que temer a tempestade

buscar nas pedras altas um abrigo
sob a rocha a chuva sobre o excremento
dos insetos dos morcegos dos homens

são dois os nomes dos demônios fracos
sobre nós um deles planta seus monstros
dentro de nós plantamos nosso inferno
e recostamos úmidos sobre o húmus

nosso próprio nome é o que mais dá medo
mas temos que esconder a tempestade
do olhar e do olfato dos mais amados
pelo deus que escorre das mãos do tempo

contra a madrugada o sol com tentáculos
esconde a sombra deste labirinto
que aproxima cada vez mais da morte
por mais que o corpo ingênuo pulse vivo

os raios cessam os trovões persistem
os tremores também pessoas correm
a falir igrejas lotar cassinos
e orar frente os joelhos de um carcará

contando os dias da revelação
que mesmo conhecida é sem efeito
na quarta vigília deste ano sexto
que termina mas não se apagará