Raul Bopp, Cobra Grande & Senzala

Em literatura e, ainda mais, em poesia, o indivíduo leigo – que senta ao nosso lado no banco do ônibus e cujo conhecimento na área vai até as aulas do Ensino Médio – costuma ser um excelente termômetro.

A grande maioria dos autores consagrados para nossa “formação” são completamente desconhecidos a esse indivíduo. Os que são lembrados podem ser considerados popstars. Camões, por exemplo. Todo mundo já ouviu falar de Camões e d’Os lusíadas.

Continuar lendo “Raul Bopp, Cobra Grande & Senzala”

Anúncios

Canalha!

“He was a Poet, sure a lover too”
(“I stood tip-toe upon a little hill”, Keats)

Canalha! (Bertrand Brasil, 2007, 320 p.) é o mais recente apanhado de crônicas do escritor gaúcho Fabrício Carpinejar, 36 anos. O livro desbancou Rubem Alves e a culinária de Déa Rodriguez da Cunha Rocha na categoria Contos e Crônicas do Prêmio Jabuti 2009. A ele se segue Diário de um apaixonado, definido no site do autor como “uma versão masculina do álbum ‘Amar é…’”.

Continuar lendo “Canalha!”

Cordéis cepecistas de Ferreira Gullar

No início dos anos 1960, marcando sua adesão à militância partidária do comunismo, Ferreira Gullar publicou alguns cordéis pelo Centro Popular de Cultura (CPC), do qual chegou a ser presidente.[1]

O CPC foi um grupo que, apesar de autônomo, era inerente à ideologia do Partido Comunista Brasileiro. Essas publicações não são apenas uma reviravolta na produção que o poeta maranhense vinha realizando até então. São também uma forma de tocar em uma das questões menos resolvidas e mais discutidas ao longo do ciclo do nosso modernismo literário: a relação entre a arte e sua recepção por parte do público.

Continuar lendo “Cordéis cepecistas de Ferreira Gullar”

Virna Teixeira em Trânsitos

O modo como a poesia se configurou como sistema – ou se formou, diria Antonio Candido – no Brasil abre espaço para alguma proposta que se relacione, para além da “queima de capital poético” (Mário Faustino), à tradição? Senão, o que é possível propor hoje em termos de poesia? Qual o peso da tradição, ou quais as responsabilidades que lhe são atribuídas?

Continuar lendo “Virna Teixeira em Trânsitos”

Morte e vida da Antropofagia

O lançamento da edição de Vida e morte da Antropofagia, de Raul Bopp, em comemoração aos 80 anos do movimento, resgata uma discussão ainda não concluída sobre a influência das artes na constituição de uma cultura legitimamente nacional.

Esse livro de memórias, originalmente publicado em 1977, é uma evidência da lapidação do projeto cultural da Antropofagia. E o contato desse movimento com a crítica especializada levanta a toalha dos parâmetros de inclusão e exclusão no campo literário brasileiro.

Continuar lendo “Morte e vida da Antropofagia”